Left Sidebar Page Type Image
2016 VOLUME 4.1


EDITORIAL

A reabilitação de áreas urbanas fora das zonas centrais das cidades

ARTIGOS

O urbano contemporâneo na fronteira de expansão do capital: padrões de transformações espaciais em seis cidades do Pará, Brasil
A. C. Cardoso, A. C. Melo, T. Gomes 
{+}Abstract   [PDF]

Este texto procura situar a cidade no contexto de transformações da Amazônia Oriental e identificar padrões morfológicos relacionados à concorrência de trajetórias de estruturação do espaço urbano: a urbano-industrial e a tradicional, destacando o potencial dos legados da última para a inovação no desenho e planejamento urbano. Padrões de ocupação e evolução de seis cidades localizadas em regiões sob intensas transformações após os anos 1970 são comparados para explicitar correspondências entre padrões morfológicos e processos socioeconômicos. A base de dados adotada foi gerada em pesquisas de campo realizadas entre 2012 e 2014, nas seis cidades em estudo no âmbito do projeto UrbisAmazônia. Os procedimentos metodológicos abrangem uma breve análise histórica, caracterização da estruturação espacial da cidade e principais eventos associados à expansão urbana nestas cidades, com destaque para a atuação dos setores público e privado. Nossa hipótese é a da configuração de um novo tipo de urbanização polinucleada nesta região, em um momento de encruzilhada, em que, ou problemas históricos podem ser agravados através da imposição de racionalidades homogeneizadoras ou superados, com a transição do padrão urbano-industrial para uma nova etapa, portadora de possibilidades verdadeiras de inovação, capaz de reconhecer uma relação equilibrada entre a natureza e o direito das pessoas, representativa de diferentes racionalidades, para compartilhar um território.


O estudo da ‘forma-dinâmica’ urbana através do mapping de dinâmicas sociais e da apropriação espacial
D. L. Viana, I. C. Carvalho
{+}Abstract   [PDF]

O artigo aprofunda a correlação entre forma urbana e mapeamento de dinâmicas sócio-espaciais, decorrentes do rastreamento de fluxos urbanos com recurso a dispositivos comunicacionais móveis (por exemplo, smartphone e tablet). Entende-se que deve ser incluído na análise morfológica o desdobramento com que atualmente se experiência espaços urbanos, exponenciado pela conexão digital e acesso à internet, com apoio de plataformas digitais que processam grande diversidade de dados individuais e coletivos (exploratórios e estruturados), para além de georreferenciados em tempo real. A profusão de atividades e usos que ocorrem nos espaços urbanos requer o reconhecimento que os fluxos são aspetos-chave na análise da forma urbana. Considera-se determinante rastrear vivências urbanas, mapeando-as. O argumento apresentado prende-se com a convergência da noção de ‘forma-dinâmica’ urbana e o desenvolvimento de mapping de dinâmicas sociais e da apropriação espacial. Alude-se à interoperatividade e à multidimensionalidade de leituras processadas em modo combinatório na análise morfológica, amplificando o estudo da forma urbana. A inter-relação de métodos de análise morfológica deverá tornar explícitas, estruturadamente, regras implícitas de dinâmicas detetadas na forma urbana, consolidando a interdependência entre configuração física do sistema espacial, a perceção que dele se tem e que padrões de apropriações se conformam nos espaços urbanos.



PERSPETIVAS [PDF]

A ‘reabilitação difusa’: da expansão para a reabilitação e da reabilitação da ocupação intensiva para a extensiva de baixa densidade 
T. Calix

Maputo: tendências de intervenção em bairros (sub)urbanos
D. L. Viana

Reabilitação (ou intervenção no existente) de áreas fora das zonas centrais (históricas) das cidades – visão de uma cidade Islâmica no Marrocos
S. Safe

Brasília (in)vulgar 
V. A. S. Medeiros

A paisagem na expansão urbana das cidades históricas: cenários e legibilidade 
M. C. V. Teixeira e M. Salgado



RELATÓRIOS  [PDF] 

Rede Lusófona de Morfologia Urbana (PNUM): 2015-16
T. Marat-Mendes

1st Meeting of the Cyprus Network of Urban Morphology, Nicósia, 2016
V. Oliveira

I Seminário Internacional FAU Mackenzie de Morfologia Urbana, São Paulo, Brasil, 2016
F. R. Botechia e H. F. Borges


NOTÍCIAS

Urban Morphology
ISUF 2017: City and territory in the global era
PNUM 2017 Vitória 
Curso ‘Morfologia Urbana: uma introdução ao estudo da forma física das cidades’